Uncategorized

O plano de parto “fracassado” tem um poderoso lembrete para todas nós

Ás vezes, nem tudo sai como planejamos. Mas acredito muito na importância de estarmos atentos às coisas boas que acontecem conosco mesmo não sendo como imaginamos. Precisamos aprender a lidar com as nossas expectativas e sermos gratas mesmo que elas não sejam superadas. Aliás, quanto mais expectativas colocamos, mais chance de não serem alcançadas como desejamos. Porém, é importante avaliarmos a forma como enxergamos os acontecimentos, eles podem ser positivos mesmo não sendo como sonhamos. E quando nos tornamos mães aprendemos muito sobre isso. A maternidade nos ensina que não temos controle de tudo.

Confira abaixo, uma história que nos lembra um pouco isso que estou falando. A história de uma mãe que tinha um plano de parto e na hora H foi tudo bem diferente do que ela planejou. Ao final dele, você chega à própria conclusão: será que foi um plano de parto fracassado ou vitorioso?

Esse texto foi publicado originalmente no site Babble e essa é uma tradução livre para o MdM.

O post dessa mãe sobre seu plano de parto “fracassado” tem um poderoso lembrete para todas nós

Por Chaunie Brusie

Samantha Joy teve uma visão de como seria o nascimento perfeito do seu filho.

Haveria iluminação fraca, música suave e óleos essenciais de lavanda; uma equipe de apoio ao parto que se preocuparia apenas em se dirigir a ela em tons calmos e tranquilos; uma banheira cheia de água para ajudá-la em seu parto, livre de medicação; e, claro, o momento de fortalecimento quando ela conduziria seu bebê ao mundo, livre de qualquer intervenção médica que Ina May Gaskin* teria desaprovado.

*Ina May Gaskin, conhecida como a “mãe da autêntica obstretrícia”, fundadora da The Farm Midwifery Center.

Joy, de 33 anos, é coach em Denver, Colorado, onde mora com seu parceiro Gabe, de 40 anos. Como ela descreveu em um post no Facebook, em 18 de setembro, a mãe pela primeira vez passou meses confeccionando um plano de parto para a chegada do seu filho no mundo, lendo livros, exercitando e até mesmo praticando visões, afirmações diárias, otimização do posicionamento fetal e, além disso, faixas de hipnose.

“Não tinha como meu parto não ocorrer bem com a crença que coloquei atrás dele”, escreveu ela.

No final, você poderia dizer que Joy teve uma versão de seu parto perfeito. Apenas com algumas reviravoltas inesperadas ao longo do caminho.

Como ela compartilhou em seu post no Facebook, o filho de Joy iria nascer após mais de 30 horas de trabalho de parto, 9 horas fazendo força e uma eventual cesariana. Tudo o que seu plano de parto mencionado anteriormente não explicava.

“O que eu imaginei como o plano de parto perfeito foi motivado pelo conceito de que nossos corpos, como mulheres, são feitos para fazer isso”, Joy diz, “então você acredita que tudo vai dar certo sem muito esforço; minha crença era que quando você faz uma intervenção médica, diminui a chance disso. Eu acreditava que meu corpo sabia exatamente o que fazer, meu bebê sabia o que fazer e seria um processo tranquilo porque eu era instruída; e eu sabia que se eu tivesse confiança e não trouxesse toda essa intervenção, as coisas ficariam ótimas”.

Quando ela entrou em trabalho de parto já numa manhã, tudo parecia estar indo de acordo com o planejado. Joy entrou em trabalho de parto até ficar 5 centímetros dilatada com o apoio de sua doula, Geneva Montano. Então, ela e Gabe foram para o hospital, onde foram recebidos pelo grupo de parteiras. A equipe foi acolhedora, respeitando imediatamente seu plano de parto e Joy diz que sentiu uma grande sensação de paz, já que sua visão estava se tornando realidade. Ela trabalhou em uma banheira e, eventualmente, quando sentiu seu corpo pronto, ela empurrou.

E empurrou. E empurrou. E empurrou um pouco mais.

Leia também: Por que toda mãe precisa de um planejamento pós-parto?

Desde que o plano de parto de Joy estipulou que não havia relógios na sala. Ela não tinha certeza de quanto tempo ela estava realmente empurrando. Olhando para trás agora, porém, ela ri e diz que pareceu uma “eternidade”. Na verdade, Joy acabou insistindo por 9 horas antes que sua parteira sugerisse gentilmente que discutissem algumas outras opções. Seu bebê não estava na posição ideal e uma médica foi levada para consultar.

Joy observa que ela inicialmente tinha uma forte aversão em trabalhar com um médico tradicional. Mas quando ela demonstrou um respeito gentil por ela, primeiro pedindo permissão para apresentar algumas opções, a mãe, pela primeira vez, logo percebeu que não tinha nada a temer.

“Essa médica em particular quebrou meus preconceitos sobre a medicina ocidental interferindo em minha experiência da maneira como ela respeitava meu plano. Ao mesmo tempo em que me informava dos riscos associados a continuar da maneira que eu queria”, diz Joy.

Juntos, eles decidiram tentar uma epidural para permitir que seu corpo relaxasse o suficiente na esperança de deixar o bebê mudar de posição. Mas depois de três horas, o bebê mostrava sinais de aflição e o que Joy mais temia foi sugerido: cesariana.

Você pode gostar: Entenda as diferenças e benefícios entre os diferentes tipos de partos

Naquele momento, quando se deparou com a única coisa que ela tentou evitar desde o início de sua gravidez, Joy poderia ter sentido medo, vergonha ou mesmo fracasso. Mas em vez disso, ela escolheu se sentir orgulhosa.

Orgulhosa do fato de que ela, de alguma forma, permaneceu forte por mais de 12 horas empurrando. Orgulhosa que ela fez tudo o que podia. Orgulhosa de ter confiado no processo durante todo o trajeto e, em breve, seu filho estaria aqui são e salvo.

“Eu senti uma tonelada de alívio sabendo que ele estava vindo”, diz ela agora, olhando para trás. “Eu me senti tão em paz sabendo que tinha tentado de tudo.”

Em vez do parto vaginal não-medicado que ela esperava – completo e com bom tempo de ligação pele a pele, atraso no clampeamento do cordão umbilical e amamentação imediata – o filho de Joy, Landon Hail, nasceu por meio da cesariana. Ele teve dificuldade para respirar, o que exigiu um rápido corte no cordão e uma rápida atenção da equipe antes de finalmente encontrar sua mãe. Que estava tremendo demais para segurá-lo. Mas ele estava aqui e ele estava saudável, e Joy rapidamente percebeu que ela tinha conseguido seu nascimento “perfeito” depois de tudo.

“TODO O BEBÊ NASCE NESTE MUNDO EXATAMENTE COMO DEVE SER. SEM ERROS. APENAS PERFEIÇÃO.”

Ela decidiu honrar essa realização através de uma poderosa imagem capturada pela Shoshannah Lundeen Photography em seu quarto de hospital e, enfim, levar para o Facebook para compartilhar sua história do parto.

“Antes dessa experiência, a ideia desse resultado parecia um fracasso. Mas naquele momento eu não conseguia ficar mais orgulhosa”, escreveu Joy em seu post. “Eu tentei tudo o que pude, nunca senti medo, confiei no processo e acabei com o que QUERIA DE VERDADE… Nosso pequeno #LandonHail.”

Desde então, a postagem de Joy repercutiu em centenas de mulheres. Já que muitas compartilharam suas próprias experiências de parto “fracassadas” nos comentários. E acolheram a nova mãe no “forte” clube da maternidade.

“Todo bebê nasce neste mundo exatamente como deveria ser”, escreveu em um comentário. “Sem erros. Apenas perfeição.”

Como ela continua a se recuperar em casa, por essencialmente dar à luz de duas maneiras diferentes, Joy está, portanto, absorvendo cada minuto com seu filho de 10 dias, que ela descreve como um “anjo absoluto”. Ela também carrega a força e as lições que aprendeu naquele dia com ela, enquanto ela avança em seu novo caminho através da maternidade – onde certamente haverá muitas reviravoltas inesperadas à sua frente.

“Nos momentos difíceis, nunca esquecerei da minha doula, que disse: ‘Eu literalmente nunca, em 500 nascimentos, vi alguém insistir tanto e tão forte quanto você. Eu estou admirada, mulher forte. Deixe que a força a guie através da maternidade ”, Joy relembra. “É verdade. Trabalho e nascimento é uma metáfora para tudo o que se segue, estou percebendo.”

“Eu sabia que no final, eu sentiria esse poder, não importa como”, acrescenta Joy, de sua decisão de celebrar e compartilhar sua experiência de nascimento exatamente do jeito que era. “E a aceitação de que pode não ter corrido perfeitamente, mas que era meu.”

Tunadosnet
MimoKids
Portal Dicas